Acesse a Área Exclusiva dos Pacientes Amai

O aprendizado do andar, falar e pensar

Publicado em: 15/03/2012

Última atualização em: 21/03/2012

Categorias: Antroposofia, Dra Carmem, Educação

Autor: Doutora Carmem


Para entender melhor o comportamento da criança no consultório dentário, é preciso saber do que ela precisa para seu desenvolvimento.

Veja que visão diferente e gostosa do amadurecimento infantil.

A criança pequena se caracteriza por sua grande abertura em relação ao mundo, acolhendo sem resistência tudo o que vem do ambiente ao redor. Toda a sua atividade psíquica tem por finalidade conhecer o mundo circundante.

Vale observar que perceber não é um processo meramente passivo, como se a criança absorvesse o meio como uma máquina fotográfica. Para que as impressões do mundo transformem-se em percepção, deve existir na criança um interesse ativo pelo mundo. Uma criança com alguma deficiência, por exemplo, recebe as impressões do mundo exterior, mas não chega a ter percepção, pois dentro dela não há esse interesse pelo meio que a circunda. Esse interesse pode ser interpretado por uma “cobiça”, que é o precursor da vontade.

Por viver num estado de “ingenuidade paradisíaca”, se defronta com o mundo com confiança ilimitada.

Por seus órgãos sensoriais estarem abertos, está sujeita irrestritamente ao meio. Começa a falar através da repetição e da imitação e assim vai despertando para a vida mental.

Em nenhum outro momento teremos uma criança tão aberta e confiante no meio. Comparando com uma criança de nove anos, esta, em contrapartida,  já conta com seu mundo próprio, semelhante a um jardim encantado.

A atividade interior da criança começa por seu interesse pelo mundo exterior, e acaba descobrindo seu próprio corpo. As mãozinhas que se agitam dentro de seu campo visual são descobertas como seu primeiro brinquedo. Com o desenvolvimento de braços e pernas, começa a transição do plano horizontal para a posição ereta. Do ponto de vista educacional, exercemos influência nos primeiros anos de vida por aquilo que somos,  pela confiança e moralidade que adquirimos e manifestamos por nossos atos. (complemente esta leitura com o artigo: Os 12 sentidos)

A criança saberá reconhecer o interesse e sentimentos vindos do coração, o respeito e a vontade de ajudar. Neste período, em que ela aparentemente “nada entende”, é a que mais intensamente assimila os conteúdos da natureza da alma do ambiente que a circunda.

Começa a erguer-se na segunda metade do primeiro ano, com o esforço para sentar, engatinhar e levantar os bracinhos para cima. O processo termina no segundo ano, quando aprende a andar.
Podemos assim considerar o andar ereto como sendo  o final da fase de bebê e o aprendizado da fala como o início da transição para a criança pequena.

Quando está passando pelo processo de aprendizado do andar, a criança ainda usa muito os braços, para engatinhar, para impulsioná-la para cima e no equilíbrio quando dá os primeiros passos. A partir do momento em que as mãos e braços não são usados mais como órgão locomotor, forma-se no cérebro o centro da fala.

Uma vez que a criança anda, a percepção está desperta. Durante o aprendizado da posição ereta, se desenvolve a fala.

O conteúdo da fala flui para a criança, a partir do meio ambiente e ela assimila imitando-o.

Se no primeiro ano foi o ambiente moral que influiu nela, agora o fator importante vem a ser o modo correto de falar em sua presença. É fácil percebermos a diferença de uma língua materna bem articulada, sem a omissão de vogais e consoantes, evidenciando elaboração mental na construção de frases e exprimindo nuances do idioma, com riqueza de expressões e vocabulário. Pensemos em uma criança criada segundo estas características de comunicação, e outra em condições contrárias. Vários aspectos chamarão a atenção, principalmente na expressão que esta criança estabelece, na postura frente à comunicação, no olhar, na colocação de uma intencionalidade, de vontade e calor, no vínculo com sua língua materna.

Através de um vocabulário bem articulado, a escolha exata de palavras, com as pequenas diferenças entre elas, contribui para um pensar diferenciado na criança. A língua materna é conquistada pela imitação e a partir daí, desenvolve o pensar como a primeira função psíquica consciente, entre o segundo e o terceiro ano de vida.

O pensar se desenvolve então como que para por ordem no que ela percebe do mundo.

Referências:
A natureza anímica da criança, Caroline von Heydebrand Desvendando o crescimento,
Bernard Lievegoed.

Antroposofia tem recursos que visam o estabelecimento da saúde de forma global. Informe-se através de outros artigos do site.

Links:  brinquedos e brincadeiras | Os temperamentos | Como lidar com os temperamentos.

 

Dra. Carmem Silvia

Veja também os temas:

Deixe o seu Comentário

Clínica Amai: Fone: (11) 3284 5162 • contato@clinicaamai.com.br
R Itapeva, nº 500 - cj. 7A • São Paulo - Próx. a Avenida Paulista (mapa)